Arquivo para abril \25\UTC 2008

25
abr
08

De Vitória em Vitória

“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.” (Is 41:10)

Acredito que não sou o único que passa por situações adversas na vida. São muitas as batalhas que enfrentamos, seja na área física, profissional, sentimental, familiar, espiritual, entre outras. É fato que as batalhas existem e na vida dos cristãos parecem ser ainda mais intensas, mas fomos avisados por Jesus que seria desta forma: “no mundo tereis aflições…” (Jo 16:33).

O mundo é regido por forças contrarias a do Senhor Jesus, assim, ele afirmou que por sermos escolhidos por ele, seríamos odiados pelo mundo: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.

Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.” (Jo 15:18-19)

Muitas vezes parece que não vamos resistir e que não venceremos, mas se permanecermos firmes com os olhos fixos no Senhor, desfrutaremos das mais incríveis vitórias, pois as nossas forças estão nEle. Existe uma promessa de Deus para nós em Isaías 41:10 (“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.”). Não devemos jamais de deixar de confiar nEle, mesmo que as circunstâncias apontem o contrário.

Fomos chamado para sermos cabeça e não cauda (Dt 28:13), portanto cremos que o Senhor é conosco e que se não desfalecermos, colheremos e desfrutaremos de grande vitória.

O primeiro passo que temos que dar para alcançarmos a vitória é nos aproximarmos dEle e nos tornarmos íntimos (leia o texto “Amigos de Deus”), desta forma, começaremos a conhecer seus desejos e vontades e certamente a cumpriremos, pois não há como se achegar a Deus e não sermos completamente atraídos a Ele; então iniciaremos uma busca de um caráter aprovado como o dEle (leia o texto “Iguais a Ele”). Se o buscarmos, e nos santificarmos, estaremos preparados para sermos usados por Ele. Logo receberemos a autoridade, uma vez que ela será necessária para a realização de suas obras (leia o texto “Lhes dei Autoridade…”). Com a autoridade do nosso Pai, estaremos prontos para a vitória a as intensas conquistas que nos aguardam.

Cada área da sociedade está pronta para que possamos tomar posse e levar o nome de Jesus ao topo de todos os setores comerciais, independente de qual seja, ou do quão difícil pareça.

Que nos possamos ser cheios do Espírito Santo, para desfrutarmos da santa presença do Senhor, e assim cumprir o nosso chamado, levando a mensagem da reconciliação a todos.

Ajuda-nos Senhor!

Abraços

Anúncios
18
abr
08

Lhes dei Autoridade…

Eu lhes dei autoridade para pisarem sobre cobras e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo; nada lhes fará dano.” Lc 10:19

 

A presença do Senhor é fundamental para que o corpo de Cristo opere com sucesso. Mas para efetivar este acontecimento, precisamos da autoridade, que provem do próprio Senhor, como lemos em Romanos 13, versículo 1. Acredito que a compreensão de autoridade espiritual é um dos fatores que alicerçam qualquer ministério.

 

Se reconhecemos que Deus tem o controle de todas as coisas e que por meio de suas palavras o universo foi criado, isso só é possível através de sua autoridade.

 

Autoridade no grego, também pode ser traduzida como poder como, por exemplo, em:

 

João 1:12 – “Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus...”

 

João 17:2 – “Assim como lhes desta poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna quantos lhes deste.

 

Para alcançarmos autoridade, o primeiro passo a seguir é criar intimidade com o Senhor (leia o texto “Amigos de Deus”), em seguia, nos separar para ele (leia o texto “Iguais a Ele”), então estamos preparados para sermos usados pelo Senhor em qualquer tempo e situação. Não devemos esperar que o Senhor nos dê algum poder, autoridade, ou até mesmo uma atividade sem que estejamos preparados para tal. Deus não é irresponsável. Ele não daria um avião com muitas pessoas dentro para alguém sem a menor experiência pilotar, pois o resultado seria desastroso. Em nossa vida, acontece à mesma coisa, a autoridade só nos será concedida a partir do memento que estivermos prontos para ela.

 

Um bom exemplo em relação a autoridade, foi o que ocorreu com Josué após a morte de Moisés. O próprio Senhor afirmava que existia uma autoridade sobre Josué  e que os lugares onde ele pisaria, seria dado por herança – “Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu disse a Moisés”  (Js 1:3). Não seria possível que isso acontecesse se não fosse a autoridade concedida pelo próprio Senhor a Josué.

 

Existe um outro aspecto que não devemos negligenciar, que é a autoridade terrena. Não devemos deixar de considerar que toda autoridade é concedida por Deus (Rm 13:1), desta forma, a desobediência a qualquer tipo de autoridade é conseqüentemente uma desobediência ao próprio Senhor. Contudo, isso não deve de forma alguma, ser confundido com as uma submissão cega e sem propósito. Questionar determinados acontecimentos é de grande valia para o ser humano e até mesmo para qualquer processo. Um bom exemplo para este tipo de situação é a história de Jó, quando começou a passar por determinadas situação e sofrimentos, ele não conseguia entender e questionou ao próprio Senhor tais acontecimentos.

 

Que nos possamos nos preparar para o que o Senhor tem para nós. Que possamos tomar posse de toda autoridade que ele nos disponibiliza para que assim, conquistemos este mundo.

 

Ajuda-nos Senhor.

 

Abraços.

11
abr
08

Iguais a Ele

Porque eu sou o SENHOR vosso Deus; portanto vós vos santificareis, e sereis santos, porque eu sou santo” Lv 11:44

Tornar-se puro e separado para o Senhor é algo prático para as vidas dos cristãos (aqueles que são semelhantes a Cristo), e isso, deve ser uma busca diária .

Assim que aceitamos a Cristo, nos tornamos santos, contudo, ainda existem coisas que precisamos mudar, um bom exemplo disso, são as cartas de Paulo que começavam saudando aos santos da cidade e depois apresentavam inúmeras correções e puxões de orelhas, diagnosticando aspectos que deveriam ser mudados pela comunidade.

O que nos torna santos é a presença do Santo Espírito de Deus em nós (1 Co 6:19), assim sendo, nossas ações, palavras, pensamentos, devem refletir o caráter de Deus (Mt 5:14), para que assim Ele chegue aos que estão em nossa volta.

A santificação é um processo, ainda que com alguns aconteça, não é muito comum que os hábitos que tivemos por anos, sejam modificados do dia para a noite. Neste processo, começamos a fazer o que Deus deseja, pois movidos pelo Espírito, começamos a distinguir melhor as coisas que agradam e desagradam a Deus, assim, vamos nos livrando do poder do pecado.

Ao observamos a passagem da oferta da viúva, Jesus ensina que ela trouxe a maior oferta. Não em relação ao valor, mas em relação a sua atitude. Certamente aquela viúva fez um grande sacrifício para entregar tudo o que tinha (algumas moedas), demonstrando grande fé na provisão do Senhor. Já os demais poderosos que ofertavam, eles faziam com que sobrava, não tendo o menor sacrifício em suas ações. Provavelmente, eles faziam por mera religiosidade, ou quem sabe, para se destacar entre os presentes, creio que o sentimento do Senhor em relação a atitudes como esta, é semelhante a carta de Laodicéia em Apocalipse: “Conheço as tuas obras, sei que não és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e nem és quente e nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca.” (Ap 3.15-16.) .

Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,  prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Fl 3:12-14) A partir deste texto de Paulo, fica claro que enquanto vivermos, estaremos em transformação, e será necessário persistir na caminhada, rumo ao nosso alvo. O primeiro passo para a santificação e o desejo de intimidade com o Senhor (Leia o texto “Amigos de Deus”), a partir de então, conhecer os desejos do Senhor, se torna bem mais fácil. É como em um casamento, quanto mais o tempo passa, mais os noivos se conhecem.

Uma passagem importante que devemos levar em consideração no que se refere a santificação, está no livro de Números no capítulo 6. Esta passagem relata o voto do Nazireu. Quando uma pessoa fosse completamente separada para o Senhor, ela não podia beber bebidas fortes, ou qualquer coisa do fruto da vide, não cortaria o cabelo, e não poderia ter contato algum com cadáveres. Desta forma, aqueles que optavam por este voto, mostravam através de suas atitudes, o máximo do padrão divino de santidade, de consagração e de dedicação diante do povo, assim, o desejo de ser separado para o Senhor devia ser primeiro no coração, e depois nas atitudes externas. Imagine o quanto seria difícil para uma pessoa, se afastar do vinho ou qualquer coisa feita de uva, sendo que o vinho era algo muito desejado naqueles dias. Imagine o quão desagradável seria para o homem deixar o cabelo crescer, uma vez que cabelo comprido para os homens naquela época, era sinal de desonra.

Muitos cristãos têm se esquecido da santidade do Senhor e o buscam apenas para suprir as suas necessidades pessoais. Outros estão envolvidos em pecados e ainda esperam que Deus responda às suas orações e receba seu louvor maculado. Parece que muitos se esqueceram que pecar de maneira voluntária e habitual é como desprezar e pisotear o precioso sangue de Jesus (Hb 10.29).

Ajuda-nos Senhor.

Abraços

Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” Hb 12:14

04
abr
08

Amigos de Deus

amigos-de-deus.png

logo.PNGJá vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos…” Jo 15:15

Amigo, segundo o dicionário pode ser definido como 1. Que tem gosto por alguma coisa; apreciador. 2. Aliado, concorde. 3. Caro, complacente, dileto, favorável. 4. Dedicado, afeiçoado. 5. Indivíduo unido a outro por amizade. 6. Colega, companheiro. 7. Amador. 8. Amante, amásio. 9. Defensor, protetor. 10. Partidário, simpatizante. 11. Aliado.

Pela quantidade de definições, percebemos que a palavra amigo e repleta de significados e certamente alcançar todos eles em um relacionamento não deve ser nada fácil! Imagina ser amigo de uma pessoa até o ponto de defende-la, protege-la ou dedicar-se a ela por completo. Isso certamente não é nada fácil não é mesmo?

Agora imagine como é ser amigo de Deus. Não temos como fugir dos significados apresentados acima, em nosso relacionamento com Ele. Acredito que o desejo de Deus em sua relação conosco, é realmente que nos unamos a ele por amizade. Mas como fazer para que o nosso relacionamento chegue a este ponto?

Só é possível conhecer uma pessoa convivendo com ela. A partir de então, passamos a entendê-la, conhecer seus gostos, suas opiniões e suas vontades. E quanto mais o tempo passa e a amizade cresce, mais íntimos ficamos dessa pessoa. O amigo de verdade nos conhece mesmo quando estamos calados, sem dizer uma palavra sequer. Passamos a contar os nossos segredos, até mesmo os mais secretos! Com Deus não é diferente. A partir do momento em que passamos a nos relacionar com Ele, começamos a conhecê-lo, e a aumentar nossa intimidade.

Moisés é um ótimo exemplo de amigo de Deus. No capítulo 33 versículo 11 do livro de Êxodo, lemos: “O Senhor falava com Moisés face a face, como quem fala com seu amigo.”, Moisés possuía uma intimidade tamanha com Deus que somente ele conseguiu ver uma pequena parte de dEle (Ex 33:23). Ele agradava a Deus (“Eu te conheço pelo nome e de você tenho me agradado” Ex 33:12) e seu desejo era permanecer com o Senhor (“Se não fores conosco, não nos envies.” Ex 33:15), desta forma concluímos que Moisés também se agradava do Senhor e aí sim, encontramos um relacionamento verdadeiro entre amigos.

Abraão também foi chamado de amigo de Deus (Is 41:8 2; Cr 20:7) pela sua obediência (Leia o texto “O Chamado de Abraão”). Até mesmo Judas, foi chamado de amigo por Jesus, na hora em que seria traído (“Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam.” Mt 26:50). Jesus deseja intensamente ser nosso amigo, ter nossa intimidade, compartilhar conosco toda a nossa vida. Se ser amigo de Deus parece ser muito difícil para alguém, podemos ler o versículo 14 do capítulo 25 do livro de Salmos e perceber que ele corresponderá a nossa iniciativa de conhece-lo.

Muitas vezes, criamos inúmeras barreiras para nos achegarmos a Ele, mas ele mesmo não impõe nenhum obstáculo. Podemos pensar que serão nossos rituais religiosos, que o fará se agradar de nós, mas não é este o Seu desejo: “Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos.” (Os 6:6). Deus quer ser conhecido por nós!! Ele quer que nos deleitemos em sua preciosa graça.

Como anda nosso relacionamento com Deus? Será que somo apenas conhecidos e não amigos? Será que um dia o conhecemos, mas acabamos nos afastando? Será que somos apenas amigos de fachada? Será que somos amigos interesseiros, que o buscamos apenas em troca de algo?

Deus deseja ser nosso amigo verdadeiro, e que nós possamos responder a este desejo com toda nossa intensidade.

Abraços

intimidade.png




"Lembrem-se dos primeiros dias, depois que vocês foram iluminados..." Hebreus 10:32
abril 2008
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Categorias