Archive for the 'Livros' Category

09
nov
09

O Livro dos Mártires

971Em memória da devoção e da coragem.

O livro dos mártires é um clássico da literatura mundial, ignorado até há pouco tempo pelos cristãos do Brasil. O livro reconta as vidas, os sofrimentos e as mortes triunfantes dos mártires cristãos da História. Iniciando-se com a história do primeiro mártir – o próprio Jesus Cristo – este relato histórico excepcional traça as raízes da perseguição religiosa. Expõe os casos de mártires famosos como John Wycliffe, John Huss, William Tyndale, Martinho Lutero, Thomas Cranmer e muitos outros.

Por que ler esta obra em pleno século 21? Infelizmente o tema do martírio religioso recusa-se a ser relegado aos arquivos da História. É assunto tão contemporâneo quanto as manchetes de hoje. Cristãos em diversos países hoje vivem e defendem a sua fé sob a ameaça de morte. Muitos acabam pagando o preço máximo. E cada uma dessas mortes suscita uma interrogação na consciência de todo cristão: o que eu faria no seu lugar? A reflexão inspirada pela morte dos mártires pode nos levar ao cerne da nossa fé.

Esta nova edição conta com a tradução primorosa de Almiro Pisetta e litogravuras originais de Marcelo Moscheta.

Esta obra de Jonh Foxe é primoroza no que diz repespeito anos fazer relembrar o que nos pode dar eperança. O relato da história e da adversidade de vários cristãos, que pagaram o preço do discipulado cristão com suas próprias vidas. É sempre bom lembrar que pessoas sofreram muito mais do que nós em prol do Reino que almejamos.

Os relatos nos fazem percorrer desde o tempo da igreja primitiva até o século XIX onde, como sempre, percebemos a mão poderosa de Deus sustentando pessoas que resolveram viver por Ele!

Glória a Deus por cada vida que se dispôs e nos encoraja a prosseguir rumo ao alvo, sem deixar de perceber em meio as adversidades que passamos, todo o cuidado de Deus conosco.

John Foxe (1516-1587), autor do livro, nasceu na Inglaterra e estudou na Universidade de Oxford. Durante a perseguição dos protestantes pela rainha Mary Tudor, exilou-se na Alemanha e na Suíça, onde escreveu a primeira edição desta obra. A mensagem de O Livro dos Mártires moldou a consciência religiosa e política da Inglaterra durante vários séculos.

A leitura vale a pena.

Clique aqui e leia a introdução do livro disponibilizado pela editora.

FOXE, John. O Livro dos Mártires. São Paulo: Mundo Cristão, 2003, 360 p.

Anúncios
14
nov
08

As 21 Indispensáveis Qualidades de um Líder

“Você se considera um bom líder? Sua equipe sente-se motivada e satisfeita sob sua liderança? Até onde você se sente seguro como líder?

Questões como estas acompanham o dia-a-dia de todos aqueles que exercem uma função de liderança. Entender o conceito de liderança e liderar efetivamente são duas coisas diferentes. Um grande teórico pode vir a fracassar no exercício puro da liderança. Mas como alguém que possui um vasto conhecimento sobre o assunto pode falhar como líder? A resposta está no caráter. É ele que está por trás do sucesso dos grandes líderes.” *

Acredito que não tenho nenhuma característica de liderança, mas sou consciente da necessidade de influenciar o meio em que estamos, conforme nos alerta Jesus em Mateus 5:13-16, afinal, somos o sal da terra e a luz do mundo. Mesmo assim, vivo constantemente em conflito em relação e este assunto. Acredito que posições e títulos são muito perigosos ao se humano.

Lembro-me quando percebi que o grupo de evangelismo que tínhamos na faculdade estava completamente desmotivado, e o fim seria certo se ninguém tomasse uma atitude. Como orava muito pelo grupo e pela atividade que desenvolvíamos, de certa forma, tomei a frente do trabalho e comecei e lutar contra a situação em que o grupo se encontrava. Isso, é claro, me trouxe alguns problemas, mas sei que tomei uma atitude para espantar a apatia em que o grupo se encontrava. Com o passar do tempo, o grupo se renovou e a maioria deles, começaram a me ver como líder, mas rejeitava essa posição (e faço isso te hoje), por ter muito medo das responsabilidades que a posição nos exige.

Na igreja também enfrentei muitos problemas em relação a liderança, pois uma das “visões” do Pr. Márcio para a IBL (Ireja Batista da Lagoinha) é que cada líder da igreja deve ser um líder e cada casa uma célula. Logo, na igreja muitos cursos são voltados para a preparação dos membros para a liderança de pequenos grupos, e como gosto muito de estudar, faço todo curso que tenho oportunidade na igreja, e sempre me defronto com a questão da liderança. Acredito muito na eficácia dos grupos pequenos, e não estou questionando a estrutura celular, ou a visão do Pr. Márcio, mas de fato, este é um assunto de muita dificuldade para mim.

No livro, como o próprio nome já diz, o autor relata 21 qualidades que qualquer líder deve ter. Em cada um deles, o autor trás informações precisas, práticas e aplicáveis em nosso cotidiano, até mesmo com exercícios que podem ser realizados diariamente. È um belo exercício de auto-exame e muito importante para todos que ocupam um cargo de influência como este. No livro, também podemos ler exemplos de personalidades aplicadas em cada uma das características estudadas ao longo do livro.

Vale ressaltar que apesar de ser um livro evangélico, em momento algum se prende a textos bíblicos, sem deixar de aplicar os princípios contidos na Palavra de Deus, por isso é uma excelente opção de presente, e muito pertinente para os estudantes de administração e os profissionais da área.

“Tudo ira em torno da liderança. Ela, na verdade, desenvolve-se de entro para fora. Se interiormente você puder se tornar o líder que deve ser, será capaz de tornar-se exteriormente o líder eu deseja ser. As pessoas desejarão segui-lo. E, quando isso acontecer, você será capaz de lidar com qualquer coisa neste mundo.” (p. 11*)

Abraços

* MAXWELL, Jonh C. As 21 Indispensáveis Qualidades de um Líder: como tornar-se um líder eu as pessoas queiram seguir. Tradução de Josué Ribeiro. São Paulo: Mundo Cristão, 2000. 139 p. Título Original: The 21 Indispensable Qualities of a Leader

03
out
08

Coram Deo

“Todas as pessoas vivem perante a face de Deus; todos vivem Coram Deo. Entretanto, nós, cristãos é que fomos chamados ter essa consciência. Precisamos reconhecer que não há um só momento em que não devamos nos lembrar disso”. *

Este é um livro muito especial para mim. Gosto muito de ouvir as pregações do Pr. Gustavo e tive o privilégio de ouvi-las durante o período em que esteve na liderança da mocidade da Igreja Batista da Lagoinha (IBL), porém após sua mudança para a secretária de missões da nossa igreja, a oportunidade de ouvi-lo se tornaram raras e o lançamento deste livro, me proporcionou “matar” um pouco da saudade de seus sermões.

Neste livro, somos conduzidos através de citações de grandes personalidades cristãs, como Lutero, Jonh Wesley, Agostinho, e outros, a nos apaixonarmos pela palavra do Senhor, além de buscá-lo incessantemente e nos conscientizarmos de sua onipresença: “Nós precisamos compreender que se quisermos alcançar a mais profunda intimidade com Deus, devemos, hoje mesmo, nos comprometer a investir tempo no nosso relacionamento com Ele. Precisamos começar. Certamente, pouco a pouco, a medida que perseveramos a nos encontrar diariamente com o Senhor, notaremos que a nossa vida se tornou diferente e que começamos a nos parecer mais e mais com Jesus”. (p. 66*)

“O único lugar onde a pessoa pode encontrar a libertação do egocentrismo é na Igreja, na comunhão com outros irmãos. Isso é evidenciado, por exemplo, nos pequenos grupos. Nesses lugares, os cristãos podem se encontrar um com os outros através da mediação de Cristo. Ali, as pessoas experimentam o perdão, a cura, a restauração, o aconchego e, naturalmente, o poder do Evangelho: famílias desestruturadas são restauradas; casamentos despedaçados são renovados; pessoas perdidas são encontradas; jovens angustiados experimentam o perdão”. (p. 108*) Este livro me ajudou muito, principalmente neste aspecto da função dos pequenos grupos, apesar de não perceber minhas necessidades sendo supridas pelo grupo, percebi a importância de me inserir realmente na Igreja, e não esperar ser inserido. Às vezes é muito complicado dar o primeiro passo, enfiar a cara num grupo de pessoas que não conhecemos, mas é extremamente necessário.

Sou extremamente carente em relação a relacionamentos, sou consciente do quanto preciso de ajuda para crescer e melhorar em diversos aspectos, mas às vezes, percebo nas próprias igrejas o quanto o individualismo está presente e como as pessoas não estão dispostas a sustentar uns aos outros. Só mesmo um relacionamento íntimo com o Senhor para superarmos as falhas das organizações humanas que estamos inseridos.

No livro podemos ainda ler as maravilhosas “cajadadas” muito características do Pr. Gustavo, mas que nos fazem parar para pensar e aprender e crescer: “Talvez para o homem moderno, seja mais cômodo pensar em Deus como uma máquina, do que pensar nEle como uma pessoa. Uma máquina não tem feições, não se entristece conosco, não ponta as nossas falhas, não anseia por relacionamento, não nos chama para um diálogo e nem nos convida para um tempo de comunhão. A máquina é insensível e está sempre a disposição para que nós a usemos da maneira que quisermos. A pessoa não.” (p. 60*)

Para finalizar, gostaria de compartilhar o relato da conversão de Agostinho, lendo a Bíblia: “Agostinho, viveu muitos conflitos interiores durante a sua caminhada. Ele mesmo nos deixou o relato da sua história na sua autobiografia, as Confissões. Apesar do valor que dava aos tantos livros, estudos acadêmicos, filosofias e conhecimento, Agostinho entendeu que somente a Palavra de Deus é a plena Verdade. Somente ela tem o poder de mudar o coração e vida do ser humano. Ele mesmo foi mudado a partir da leitura das Escrituras. Quando ainda era ímpio, enquanto lia a Bíblia, o Espírito Santo lha revelou Cristo, quebrantando o seu coração e transformando-lhe os pensamentos”. (p. 35-36*)

A leitura é extremamente agradável e suave. Vale muito a pena para todos os apaixonados por Deus.

Abraços!

* BESSA, Gustavo. Coram Deo: vivendo perante a face de Deus. Belo Horizonte: Diante do Trono Publicações, 2007. 110 p.

22
ago
08

Marque sua Geração

“Marcar uma geração não é uma tarefa apenas para algumas pessoas. É através dessa afirmação que o Pastor Gerson Freire discorre sobre como aqueles que seguem Jesus podem deixar marcas profundas sobre sua geração. Com o advento da pós-modernidade, o homem vive uma crise de valores e, conseqüentemente, está perdendo sua oportunidade de fazer a diferença. Este livro levará você a refletir sobre alguns valores que mudarão seu cotidiano, tornando a vida cristã desafiadora e cheia de experiências reais com Deus”. *

Quando ouvi falar o nome deste livro pela primeira vez, já fiquei muito curioso, tentei encontrá-lo em várias livrarias, mas por ser publicado por uma editora “pequena”, não é fácil de ser encontrado. Apesar disso, cerca de um ano depois desta procura, minha mãe me presenteou com este livro em um dos meus aniversários, pois já sabia que estava a procura dele. Creio que até nisso Deus está envolvido, pois foi justamente nesta época que resolvi tomar “posição” com Deus e buscá-lo com todo o meu ser!

Pouco tempo depois desta decisão, entrei em uma “crise de identidade cristã” procurando o que fazer, onde trabalhar para expansão do Reino. Então, ingressei em um grupo pequeno composto apenas por universitários (nesta época, já cursava administração) e que desenvolve trabalho de evangelismo nas faculdades de BH.

Foi o suficiente para ver realmente Deus falar comigo através das páginas deste livro, uma vez que tinha muita vontade de trabalhar e evangelizar, mas estava realmente com muito medo. Desde então, passei a auxiliar um grupo de pessoas que estavam interessadas em organizar reuniões evangelísticas na faculdade onde estudo.

Por ter lido em um período muito especial de minha vida, este livro me marcou muito, realmente hoje tenho cada dia mais sede e marcar minha geração, e fazer diferença onde quer que esteja.

Quero compartilhar alguns trechos deste livro e acredito que desde já vocês serão impactados por esta grande obra:

“Trabalhar em equipe é o desejo de Deus para implantação do seu Reino neste terra. Não importa quão capacitado ou quão incapacitado você se sinta. Comece a orar hoje mesmo pedindo ao Senhor eu envie obreiros aprovados para estar com você nessa visão. E mais que isso, procure o conselho do Senhor sobre como treinar uma equipe. Procure também outros irmãos que tenham tido experiência nessa área e compartilhe seus planos para a equipe” (p. 69)*.  Este trecho falou muito comigo, principalmente pelo motivo que compartilhei no início deste post, pois estava em uma fase de decisão e desafios a enfrentar e pude encontrar palavras consoladoras do Senhor neste trecho.

“Durante a meditação no texto de 1ª Pedro 2:9 o Senhor começou a me mostrar que Ele havia me escolhido e que Ele havia me dado características específicas através das quais iria me usar.

[…] Ao lermos que somos geração eleita devemos entender que a vontade de Deus em nossas vidas é algo que não começou agora, mas estamos dentro de um conspiração eterna do amor de Deus.

Ser geração eleita é render-se à soberania de Deus e isso me dá tranqüilidade, pois se me conheceu antes mEsmo de eu existir, então vou descansar na sua soberania em me chamar para estar com ele.” (p.73-74)*

Para mim este livro é simplesmente incrível!!

A leitura é muito fácil e agradável. Um livro especial para se presentear novos convertidos, liderados, ou até mesmo pessoas que ainda não se converteram ou estão desviadas.

Abraços!

Visite: www.geracaoprofetica.com.br

* FREIRE, Gerson. Marque sua Geração. Belo Horizonte: Joy Publicações, 2004. 95 p.

09
maio
08

O Homem do Céu

“Ler este livro é como ler uma versão atual de Atos dos Apóstolos. O testemunho do Irmão Yun nos emociona e nos deixa maravilhados diante do poder extraordinário de Deus. Seu relato traz a tona o grande drama da perseguição aos irmãos chineses, que até hoje são presos, torturados e levados perante às autoridades por causa e sua fé. Esta leitura nos desafia a orar pelos cristãos da China e a dedicar nossa vida mais intensamente ao serviço do Mestre, aproveitando a preciosa liberdade que possuímos.” *

Sabe algumas situações que passamos que temos muuuuuuuita vergonha. Certamente você já passou por algo parecido! Pois é, ao ler este livro, eu tive esta sensação, e acredito que todos sentirão a mesma coisa.

È impressionante como não temos a coragem de falar de Jesus para as pessoas que nos convivemos, e através deste livro, lemos os relato de um jovem que passou pelas maiores barbaridades na China, simplesmente por falar e viver, sua fé. O pior é saber que isso ainda acontece!

O livro trás relatos impressionantes da vida do irmão Yun que ainda criança se converte para que se concretize a cura de seu pai que está prestes a morrer. Em seguida, deseja ter uma bíblia, o que é expressamente proibido em seu país, mas tem sua oração respondida, A partir de então, se torna um pregador da palavra de Deus, principalmente nos presididos onde era covardemente espancado por diversas vezes. Tanto que em uma determinada época, nem mesmo sua mãe o reconheceu, tamanha foi sua transformação física.

Neste livro podemos ler também sobre seu espetacular jejum que 74 dias sem nem mesmo beber água. Acima de tudo, podemos ler o relato de uma homem que procurou um relacionamento íntimo com o Senhor, e passou por experiências que provou do cuidado, carinho e amor de Deus para com ele, mesmo em meio as lutas e circunstâncias desafiadoras.

Neste ano, as olimpíadas serão na China, o que pode significar uma excelente oportunidade de levar o evangelho a esta nação, apesar de que outro dia, li uma reportagem que dizia que até mesmo os atletas estavam proibidos de levar bíblias ao país. Mas mesmo assim creio que eles evitaram o desconforto de transtorno com visitantes ao país, uma vez que se trata de um evento internacional, e que certamente será um espelho para investimentos econômicos no país.

Leitura obrigatória para todos os cristãos!

Senhor, ajuda-nos a nos importar com o nosso semelhante! Ajuda-nos a levar seu evangelho aos confins da terra! Proteja cada cristão do oriente, e que seu evangelho de propague sem barreiras! Em nome de Jesus! Amém.

Abraços!

Visite: www.backtojerusalem.com (site em inglês)

* YUN, Irmão; HTTAWAY, Paul. O Homem do Céu. Tradução de Cláudia Moraes Ziller de Faria. Belo Horizonte: Betânia, 2005. 336 p. Título Original: The Heavenly Man

07
mar
08

Como o Futebol Explica o Mundo

futebol.png

logo.PNGAo iniciar a leitura do livro, pensei que se tratava de uma grande análise da enorme influência que o futebol exerce sobre todas as áreas da sociedade, no decorrer da leitura, esta expectativa se confirmou e acredito que teremos muito a descobrir com a história do futebol que se confunde com a história da sociedade, assim como a evolução sociológica da humanidade. Não sei ao certo se o futebol seria o reflexo da sociedade ou se este seria a causa/razão de certos aspectos sociais.

No capítulo inicial, quando Franklin Foer descreve as artimanhas das torcidas fanáticas que fazem do futebol um paraíso particular para exercer suas práticas gângsteres, me deparei com situações muito próximas das vividas aqui mesmo no Brasil na década de 90 (guardadas as devidas proporções), onde constantemente líamos notícias a respeito de violência entre torcidas organizadas, como por exemplo, o acontecimento intitulado de “Batalha Campal do Pacaembú” ocorrido em 20 de agosto de 1995 onde palmeirenses e são-paulinos se enfrentaram causando saldo de 110 feridos e a morte de um torcedor.

No decorrer da leitura, nos deparamos ainda com católicos e protestantes irlandeses se enfrentando na Escócia, desvirtuando por completo os princípios cristãos, ao qual estes times diziam ser representantes. Neste ponto, ficou muito clara que a intenção dos torcedores é apenas ter um motivo para realizar as suas práticas preferidas, sem ter o mínimo de critério, como provado pelo fato do time Rangers ser um representante protestante e tempos depois se tornar um representante católico. Podemos comparar este ponto com as “Cruzadas” que ocorreram entre os séculos XI e XIII, onde, fanáticos religiosos usavam a religião como motivo para alcançar suas vitórias políticas, através de guerras.

Finalmente, temos relatos da relação do futebol com o judaísmo o que nos demonstra que o esporte pode representar a potência de um povo, como é o caso de Cuba com grandes atletas que carregam não só a bandeira de seu país, como também a ideologia do comunismo. No caso dos judeus, a história foi abruptamente interrompida por Hitler.

Ao iniciar a leitura do quarto capítulo da obra de Franklin Foer, nos deparamos com uma outra face do hooliganismo, intitulando pelo autor de “sentimentalismo”. Acredito que esse seja a raiz do mal não só deste tipo de comportamento no futebol, mas também em outras esferas sociais, como por exemplo, guerras religiosas, o ceticismo e certos estudiosos, entre outros, que encaram sua fonte de atuação, com tamanha “paixão”, que acaba impedindo a compreensão do verdadeiro sentido que esta fonte se propõe, bem como os princípios das fontes contrárias a estes princípios.

Já no quinto capítulo do livro, nos deparamos com o relato da situação e história do futebol nacional, que apesar de seu considerável desempenho em campo, sofre com o que ocorre em sua administração, com a atuação de cartolas e da corrupção exacerbada que envolve enormes fontes de renda do país. A comparação da história do Pelé com a história que o Brasil atravessava é de bem pertinente, conforme demonstra os fatos narrados.

Sobre o racismo, que parecia ser um ato não praticado em um esporte tão popular futebol, percebemos que infelizmente ele é real. Ao lermos a saga de Edward (a grande promessa do futebol nigeriano), em sua temporada na Ucrânia, mas com fortes ambições de se tornar estrela do futebol ocidental, vemos que o racismo pode ser tão forte e presente até mesmo nos dias atuais. Neste capítulo do livro, podemos nos atentar ainda sobre as dificuldades e desafios que os jogadores enfrentam ao sair de seus países de origem, tendo que se adaptar com uma cultura completamente distinta da sua, novas maneiras de jogar o esporte, além das diferenças climáticas, que podem ser gritantes, como no caso da Nigéria e Ucrânia.

Na reta final da obra de Foer, nos deparamos com corajosos e impressionantes relatos sobre a  classe dominante do “negócio” futebol. Saindo das fronteiras brasileiras, vemos o mesmo poderio de oligarca; como denominado pelo próprio autor; atuando no futebol. Assim como no Brasil, o esporte se torna o brinquedo de poucos e o delírio de muitos, com tamanha força, capaz de seduzir até mesmo o autor, que ao participar de uma festa de comemoração de um título, se viu completamente encantado com o grande Milan. Na minha opinião, tudo estrategicamente preparado por Berlusconi & Cia.

Não muito distante, está o Barcelona, que simboliza a mais pura nacionalidade Catalã, através de um poder paralelo, capaz de muito em seus efeitos. Em disputa contra o Real Madrid, vemos o envolvimento da política espanhola, em favor do Real o que torna o clássico completamente alheio ao brilhantismo do esporte, por suas infindáveis corrupções nos mais diversos setores.

No nono capítulo, lemos a grande força do futebol até mesmo no Oriente Médio, levando mulheres desrespeitarem as rígidas Leis locais e unir-se aos homens em um único objetivo: ver sua nação jogando uma Copa do Mundo, além de saborear o ocidente pelas transmissões de jogos pela TV, onde é possível ter contato com anúncios ao redor do gramado de produtos ocidentais. Grande é o poder do futebol, capaz até mesmo de transcender a cultura de um povo.

No último capítulo, Foer relata seu contato com o Futebol, símbolo de um novo tempo nos Estados Unidos no passado, mas que ainda hoje enfrenta grande oposição de parte da população e também de outros esportes tipicamente americanos, como por exemplo o futebol americano,  o beisebol, o basquete e outros, que culmina no baixo desempenho da liga local e consequentemente da seleção americana.

Inexplicavelmente, o futebol explica o mundo. Um esporte coletivo e popular como este é capaz de coisas inacreditáveis.

Leitura indispensável para os amantes deste esporte nacional, e muito interessante para os profissionais envolvidos com esporte em qualquer nível. Apesar de ser um pouco maçante no início, a leitura vale a pena.

Abraços

01
fev
08

Pode Falar Senhor… Estou Ouvindo

podefalarsenhorestououvindo-gg.png

logo.PNG“Talvez não haja força mais subestimada que a fabulosa energia da juventude, que o entusiasmo contagiante de milhares de jovens desejos de construir um mundo melhor.

Loren Cunningham era pouco mais que um adolescente quando teve um sonho: ondas de jovens atravessavam continentes, anunciando as Boas-Novas. Eu desafio tremendo! Um Sonho assim poderia provir de Deus?

Do sonho nasceu a JOCUM – Jovens com Uma Missão – uma organização dinâmica, que mobiliza e envia jovens em todos os continentes.” *

No meu aniversário do ano passado, tive o privilégio de receber da minha mãe este livro de presente. Minha mãe já sabe que eu gosto muito de ler e também gostaria, de certa forma, “persuadir” meu conceitos sobre as profecias e profetas (o que já foi, e inda é, motivo de muita discussão entre eu e ela, pelas diferentes opiniões a respeito.), mas ela caiu no grave risco de dar um livro, sem lê-lo antes, motivada apenas pelo título. Logo nas primeiras páginas, o autor declara opiniões bem semelhantes as minhas, para desespero da minha mãe. Srsrsrs!

Apesar disso, pude ver o carinho do Senhor comigo, uma vez que todo o livro trouxe muitas explicações e relatos encorajadores para minha atual fase de vida.

É simplesmente tremendo o testemunho de Loren e sua esposa na construção deste grande ministério como é a JOCUM. Mesmo antes, já admirava o trabalho desta organização, agora já estou muito mais interessado! Glória a Deus pela vida destes guerreiros da fé!

O que muito me admira e o que também é comum aos demais líderes, personalidades e ministérios, é a humanidade deles. Não só de acertos vivem estas pessoas e organizações. Neste livro podemos ver relatos das diversas bênçãos que todos os envolvidos neste ministério receberam, mas também podemos ver que durante o percurso eles cometeram erros e nos dão a oportunidade de aprender com estas situações, uma vez que estão descritas no livro.

Gostaria de chamar atenção para algumas partes, que falam muito comigo, principalmente nestes dias.

Após retornar de uma viagem ao mundo, sem destino certo, apenas para conhecer a situação das mais diversas regiões do mundo, Loren, relata que foi até uma lanchonete com 2 amigos (Dallas e Larry) e lá fé a seguinte observação: “Dei uma olhada pelo salão, para as outras divisórias tão aconchegantes, onde as pessoas saboreavam seus hambúrgueres com batatas fritas. Dallas e Larry não notaram que eu havia silenciado. Parecia que todas as pessoas ali achavam-se envoltas por uma imensa bolha de isolamento – rindo, divertido-se, enquanto lá fora estavam milhares de indivíduos de mãos estendidas, como pedintes. Era demais para mim” (p. 46*). Acredito que em nossos dias e bem perto de nós a situação ainda não mudou! 

Às vezes, converso com algumas pessoas, principalmente cristãos envolvidos com a igreja, e me choco com a falta de interesse deles pelas pessoas. Parece realmente que estão em uma bolha! Lembro-me que certa vez, conversando com uma colega cristã, ela me expôs uma situação para aconselhá-la, o que sugeri, foi que ela aproveitasse a situação que estava passando para falar de Jesus, evangelizar, ela levou um grande susto, como se o que eu estivesse dizendo fosse um grande absurdo. As pessoas estão completamente voltadas para si! Querem respostas para suas necessidades e não se interessam com os outros. Nunca tive a oportunidade de viajar em missões como o Loren, mas o que está ao meu alcance faço: oro pelos missionários, ajudo com ofertas, oro por um determinado país, procuro evangelizar as pessoas que estão próximas, afinal, isso é um mandamento (Mc16:15).

Mais a frente no livro, Loren relata: “Nós os crentes, precisamos fazer o que Cristo fez, e ajudar as pessoas naquilo que elas sentem que estão sofrendo. Na maioria das vezes, não assumimos esta atitude, que é também uma expressão de Deus para com os homens” (p. 80*). Neste trecho, Loren relata que estava no Havaí e que um furacão tinha passado pela localidade em que estavam e que diversas pessoas estavam passando por situações muito complicada, neste momento então ele percebeu que o evangelho de Cristo não se resume apenas em palavras, mas também em ações. É possível levarmos Jesus até as pessoas, através de ações e não apenas por meio de pregações. Existem determinadas situações em que as pessoas precisam mesmo é de um atitude, um auxílio e não de palavras e explicações sobre um assunto que aparentemente não resolverá o problema imediato que está enfrentando.

Vejo que é somente o Senhor, e um relacionamento  pessoal com Ele, que nos ajudará a nos atentar para os desejos  do seu coração. Devemos procurar ouvi-lo e não somente despejar uma lista de pedidos em nossas orações.

Ajuda-nos Senhor!

Abraços

Viste: www.jocum.org.br 

* CUNNINGHAM, Loren; ROGERS, Janice. Pode Falar Senhor… Estou Ouvindo. Tradução de Myrian Talitha Lins. Belo Horizonte: Betânia, 1985. 204 p. Título Original: Is That Really You, God?




"Lembrem-se dos primeiros dias, depois que vocês foram iluminados..." Hebreus 10:32
novembro 2017
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Categorias